O Marquês de Pombal e o Perdão dos Judeus

18.00 

A imagem que chegou até nós do Marquês de Pombal não é propriamente a de um político tolerante e compassivo. Antes pelo contrário! Do ponto de vista da sua prática política, temos bem presente no nosso imaginário estereotipado as histórias verdadeiras de expulsão, tortura e esmagamento com recurso à força militar de manifestações de grupos da população descontentes com medidas pombalinas de reforma política e económica. No entanto, se para determinados grupos, famílias e instituições Sebastião de Carvalho e Melo, Secretário de Estado todo-poderoso do Rei D. José I, foi implacável, para outros criou e fez publicar legislação que inaugurou uma nova era de tolerância e de integração há muito tempo desejada. Com efeito, Pombal concedeu aquilo a que Paulo Mendes chama, na sua cuidadosa e inovadora investigação aqui publicada em livro, o “perdão aos judeus”, querendo dizer que teve a visão de acabar com séculos de estigmatização das minorias religiosas judia e islâmica numa sociedade cristã. Fê-lo, é certo, por estratégia política, mas também à luz dos valores iluministas que tinham como horizonte o ideal da universalidade e da atenção à diversidade do género humano nas suas diferentes expressões. Este livro de Paulo Mendes, investigador meticuloso e tenaz, constitui, pois, um contributo importante para destacar um dos aspetos nem sempre relevados da política de reforma social do Marquês de Pombal: a libertação dos descendentes de judeus dos códigos e das práticas sociais que os tinham tornado estrangeiros no seu próprio país de nascimento.

Lançamento Dez / 2019
Páginas 208
ISBN 978-989-8814-65-4 Categorias , Coleção

A imagem que chegou até nós do Marquês de Pombal não é propriamente a de um político tolerante e compassivo. Antes pelo contrário! Do ponto de vista da sua prática política, temos bem presente no nosso imaginário estereotipado as histórias verdadeiras de expulsão, tortura e esmagamento com recurso à força militar de manifestações de grupos da população descontentes com medidas pombalinas de reforma política e económica. No entanto, se para determinados grupos, famílias e instituições Sebastião de Carvalho e Melo, Secretário de Estado todo-poderoso do Rei D. José I, foi implacável, para outros criou e fez publicar legislação que inaugurou uma nova era de tolerância e de integração há muito tempo desejada.

Com efeito, Pombal concedeu aquilo a que Paulo Mendes chama, na sua cuidadosa e inovadora investigação aqui publicada em livro, o “perdão aos judeus”, querendo dizer que teve a visão de acabar com séculos de estigmatização das minorias religiosas judia e islâmica numa sociedade cristã. Fê-lo, é certo, por estratégia política, mas também à luz dos valores iluministas que tinham como horizonte o ideal da universalidade e da atenção à diversidade do género humano nas suas diferentes expressões. Este livro de Paulo Mendes, investigador meticuloso e tenaz, constitui, pois, um contributo importante para destacar um dos aspetos nem sempre relevados da política de reforma social do Marquês de Pombal: a libertação dos descendentes de judeus dos códigos e das práticas sociais que os tinham tornado estrangeiros no seu próprio país de nascimento.

Peso 313 g
Dimensões (C x L x A) 15 × 1.2 × 21 cm
Editora

Theya