Entre as Brumas da Memória

17.50 

Este livro é uma obra de ficção. Ainda que suportado em certos e relevantes factos verídicos que ocorreram na sociedade portuguesa, mais em concreto no ano de 1961, não tem, nem pretende ter, rigor científico ou préstimo histórico.

Em stock

Autor(es) Fausto Reis
Lançamento Nov / 2019
Páginas 221
ISBN 978-989-8911-83-4 Categoria Coleções ,

Este livro é uma obra de ficção. Ainda que suportado em certos e relevantes factos verídicos que ocorreram na sociedade portuguesa, mais em concreto no ano de 1961, não tem, nem pretende ter, rigor científico ou préstimo histórico.
Trata-se de um romance anticrítico e que contém, decerto, fascinantes histórias de amor e aterradoras narrativas da guerra colonial. Acaso, outrossim, com esteio em contextos, figuras e papéis que intersectam o singular ou até colectivo memorial.
Em síntese, para o autor, cada figura expressa um estado de alma ou de vida, um carácter humano, um benigno ou trágico símbolo. É o exemplo Alexandre Malafaia, Cristão Novo, que é uma consagração ao herói soldado que combateu na guerra colonial, seja branco ou negro. Sublevado “turra”, autóctone dos confins de África ou oriundo da metrópole. E é o exemplo de como o amor não se impugna, seja com tropecilhos, rígidas fronteiras ou desirmãos credos.
O principal suporte físico do imaginário é o grandioso e hercúleo Forte da Graça e a cidade fortificada de Elvas: património mundial. Simboliza todas as prisões, locais de tortura e anti liberdades, onde a PIDE exercia o seu poder.
O romance é também uma estátua aos colonos, a todos os “Viriatos”. E, mais em concreto, aos assassinados nos hediondos massacres, como no Cassanje, norte de Angola. Fecundos fados, além, onde o carácter destemido e aventureiro do povo Luso obrava fidalgamente a terra, administrava indústrias ou negócios para a melhoria das condições de vida e do sustento das famílias.
E é ainda, entre outras razões que o prezado leitor considerará, uma reprovação à guerra, ao domínio do homem pelo homem e às malignas visões imperialistas. É, antes, um hino à autodeterminação dos povos, à solidariedade e ao Amor.
Acredito, estimado leitor, que, depois de o ler, concordará com a principal personagem, um Viriato, de terras de Afonso de Amaral e da cidade de Viseu, Senhora da Beira, Tenente Henrique Vaz de Mello, e dirá: “Amem-se, livres e assaz felizes”.

Fausto Reis

Peso 343 g
Dimensões (C x L x A) 150 × 15 × 230 cm
Editora

Edições Esgotadas

Ainda não temos opiniões acerca deste produto.

Apenas clientes autenticados e que tenham comprado este produto podem deixar uma avaliação ao produto.